Juruá Online

Cotidiano

Em ruínas, casa mais antiga de Cruzeiro do Sul se recusa a cair. Opinião com historiador Antônio Franciney

O núcleo urbano de Cruzeiro do Sul não nasceu apenas em 1904, a Casa dos Ruelas não é a mais antiga construção, muito menos a primeira construção em alvenaria da cidade, assim como não existe uma Cobra Grande adormecida no morro do Fórum, ah, e um Dragão no subsolo da Catedral.

Num exercício prazeroso de desfazimento de lendas, inicio pelo Dragão da Catedral, a lenda mais fácil de provar, pois o dragão existe não no subsolo, mas na parede atrás do altar, subjugado, derrotado pela Mulher-mãe com o Filho-redentor do mundo que acabara de nascer, abrigado em seus braços, representando a luta do bem contra o mal, que, segundo a fé cristã precede a criação do próprio Universo, numa belíssima pintura (baseada no Livro de Apocalipse) dos artistas (pai e filho alemães) Lorenz Heilmair e Lorenz Johannes Heilmair, de 1979. Assim, não se trata de lenda, mas de perspectiva.

Quanto à Cobra Grande, lerdamente adormecida feito cinderela numa enorme loca embaixo do morro do Fórum, teria sido pega de surpresa quando lentamente o Juruá mudou o curso após uma vazante no esmorecer dos anos 70. Logo ela, que tem a fama de ter cavado os maiores rios do mundo e mudar seus cursos quando lhe dá na vontade… Dizem, que de vez em quando, revoltada com a prisão que deve durar até que o rio, seu príncipe, retorne ao antigo leito, ela se contorce e é possível ouvir um estrondo que vem das profundezas… Uma vez, na sala do Tribunal do Júri do antigo Fórum (já demolido), durante um julgamento, ouviu-se um grande estrondo e o chão da sala sofreu uma rachadura causando séria avaria no piso. Essa falha no piso de cerâmica eu cheguei a ver(nos meados dos anos 90 quando dormitava por ali na condição de “papa sereno”), assim como o enorme pé de jambo ao lado cujas raízes mergulhavam embaixo do prédio, mas isso era só um detalhe… após uma possível perícia, talvez a conclusão tenha sido que o problema das rachaduras tivesse a ver com as raízes, que tinha mergulhado nas profundezas e enfezado a enorme serpente. Quem sabe…
Cruzeiro do Sul, estrategicamente formatada em 1904 pelo Governo Federal para assegurar a posse sobre um território rico em borracha, tem uma História construída sob o império das vontades de serpentes e dragões… Nesta metáfora cabem todos aqueles que movidos pelas mais inconfessáveis razões, tem contribuído para sepultar a nossa breve História, construída, infelizmente, de omissões e abandonos.

 

 sicredi2.png

© Copyright 2015 - Empresa Cruzeirense de Telecomunicações de Rádio e TV LTDA